Muito além da barriga

Muito se fala sobre maternidade, mas talvez não evidenciamos tanto a maternidade que vai além da barriga. O descobrir um novo ser no ventre, o vê-lo crescer ali dentro e de uma forma tão acelerada (cada dia uma novidade), o ouvir o som dele ao nascer e a partir daí acompanhar o avanço desse ser mês a mês… Isso tudo é tão sublime e ao mesmo tempo tão intenso que parece mágica. É um amor único, inabalável, imensurável.

Mas há também uma certa magia na maternidade cotidiana. Aquela que ninguém vê, quando as mães levantam mais cedo que o filho para lhe preparar o café, a roupa da escola… ou ainda preparar tudo para que ela mesma possa ir trabalhar com a certeza de que tudo estará ao alcance das necessidades do filho. Aquela magia que ninguém se dá conta quando essa mesma mãe é a última a ir dormir porque primeiro vem o descanso daquele ser que a transformou numa outra pessoa, e ainda que sob renúncias, numa pessoa infinitamente melhor.

A maternidade faz parte desse conviver louco, dessa corrida desenfreada pelas obrigações do dia a dia. É um tombo, um ralado, um nariz ou pé quebrados… É uma gripe que parece atingir não mais que o coração de tanto que dói ver o filho sofrer sem poder fazer muito para atenuar o ‘dodói’. É o bilhete na caderneta solicitando o comparecimento da responsável porque o filho empurrou o coleguinha sem motivo aparente. É a reprovação estampada na face de todos os outros por ela simplesmente decidir deixar o filho se acabar na caixa de areia, só para ele ter um gostinho único do que é ser criança. É o dente que caiu usando o fio dental. A farda passada com exímio para o filho que está em serviço militar não ser retaliado no quartel. A desilusão da filha frente ao primeiro amor que não deu muito certo. São tantas as cenas diárias nesse palco do ‘ser mãe’ que talvez a correria da vida ofusque o seu brilho e, por isso, pareça não ter importância. Mas tem!!

É dessa parte da magia que não se fala muito que se deve evidenciar nesta data, com a plena certeza que uma mãe presente assim, nas pequenas e grandes coisas, é o maior presente que um filho pode ter. Ser mãe é ter presença em todos os momentos não só na vida dos filhos, mas de toda uma família. É amar o amor dos filhos, sofrer a sua dor, vibrar com cada conquista, cada avanço. É sentir na pele todos os detalhes desse caminhar que começou ali, no ventre, mas que certamente foi sonhado há muito, muito tempo.

É por essa magia, essa força que não se explica e essa dedicação sem merecer que desejamos a você mãe, um feliz dia todo seu!

To Top